Crack e o chocolate

Por Mayara Floss

cioccolato fuso

 

      Em um desses dias de plantão uma paciente, entre tantas outras, em trabalho de parto de uma criança prematura e “usuária de crack”. Sem pré-natal, sem documentos, sem familiar, sem acompanhante, quase sem roupa. Tudo acontece muito rápido não deram nem dez minutos. Ela após o parto ajoelha-se no chão para rezar pela filha que nasceu. Fica na sala de recuperação do parto chorando desconsolada. Eu indo e vindo com uns papéis decido entrar no quarto, colocando de lado meu turno de sono para conversar com ela. Toco no ombro e peço se ela quer conversar, ela vira-se, chora e diz: “é tudo culpa minha”. Eu só escuto, a história, o filho perdido, o ex-marido, a vida que se costurava entre as lágrimas. História doída. Começamos a conversar e de repente a barriga dela  “fala mais alto”. Ela coloca a mão na barriga e confessa: “Não como há três dias, fui vender crack para conseguir comida e acabei usando” – respira fundo e diz – “é sempre assim”. A copa já está fechada, estamos adentrando a madrugada e insisto para conseguirmos algo para ela comer, pergunto se posso dar um chocolate que eu tenho, a enfermeira dá de ombros com um “sim”. Levo meu chocolate para ela, ela dá um pulo da cama, “Eu adoro chocolate, faz tanto tempo que não como um”. Eu sorrio ela lê a embalagem: “Sem açúcar, sem leite, sem glúten” e ela diz para mim “essa coisa é porque quer emagrecer?” eu digo que “não” e rimos juntas com uma certa cumplicidade entre nós. Os olhos castanhos com um brilho verde ao comer o chocolate. Nós duas, tão mulheres, tão humanas, tão chocolate.

Rio Grande, 04/05/2016

Anúncios