Por Yasmin Souza, residente de Medicina de Família e Comunidade

Dona Maria, 60 anos, hipertensa, portadora de bronquite crônica, trabalha como diarista. – Como posso te ajudar hoje, dona Maria?- Eu estou com muita dor de cabeça. Fiquei sentada na cama e não consegui dormir essa noite de tanta dor. – E desde quando a senhora sente essa dor?- Eu sempre tive dor de cabeça. Mas há 1 semana ela está muito forte. Essa dor resolve quando eu tomo remédio… Mas não tô com condições de comprar, filha… .Começou a chorar.Dei um lenço. Ela continuou enxugando as lágrimas:- Não tenho dinheiro pra comprar pão!! Eu e meu marido fomos dispensados do trabalho por causa desse vírus e não sei como vamos pagar aluguel, nossas contas… E ainda estou sendo rechaçada na vizinhança! A vizinha falou pros filhos dela não chegarem perto de mim porque sou idosa e sou infectada! Ela disse que eu posso transmitir o vírus pra eles.- Mas é justamente o contrário, Dona Maria. É melhor que as crianças não entrem em contato com os idosos para eles não terem o risco de transmitir pra vocês!- É… Meu marido me falou isso! É por isso que não estamos saindo de casa. Mas essa dor de cabeça está um horror e tive que vir até aqui! A dra pode me passar um paracetamol? …

[Se Dona Maria “voltar a normalidade” e se infectar com o coronavírus, não vai ser uma “gripezinha” ou um “resfriadinho”. Mas, se ela seguir as recomendações médicas de continuar em isolamento social sem nenhuma assistência, ela e o marido logo não terão o que comer.].


Dei o paracetamol. E a minha cabeça não para de doer.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s