Bicho traiçoeiro

por José Carlos Arrojo Júnior

Era janeiro, aquele calor típico que batia no compensado de madeira da quina da minha sala, esquentava também o cano que levava água para a torneira do consultório.
Enquanto deixava a água correr um pouco para não queimar minha mão, a enfermeira entra no consultório.
– Doutor, posso entrar? – já dentro do consultório.
– Pode sim! O que houve? – pergunto pela cara de assustada e com um papel na mão.
– Olha, a Dona Malvina, aquela que é dona do bar da esquina, veio aqui na unidade e disse que queria deixar uns exames pro sr. ver. Como o sr. estava em visita domiciliar, pediram pra ela deixar comigo.
– Ah, não tem problema não, pode deixar na mesa que eu olho tudo antes de sair. Algum problema com eles? – pergunto prevendo a resposta pela cara de assustada da enfermeira.
– Então, ela veio com as enzimas do pâncreas alteradas. Bem alteradas. Ela voltou agora de viagem. Achei estranho, porque ela não bebe aqui na nossa frente, mas vai saber se ela não exagerou escondida na viagem, né?! – olhando pra mim com uma cara de quem tentava dizer algo nas entrelinhas.
Olhei as enzimas e, de fato estavam bem alteradas. Mas olhando o restante dos exames e conhecendo a paciente, não acreditava muito na teoria do alcoolismo.
Mal fechei a torneira, agora com água morna, e olhei por cima dos exames e a agente comunitária já estava na minha sala também.
– E então Doutor: é grave o caso da Malvina? Ai que dó dela, já chega o filho que morreu de cirrose, agora ela também deu pra beber!
Percebi que o caso já estava na boca de todos da unidade e daqui a pouco já chegaria no bar da Malvina também.
– Olha, chamem a Dona Malvina… peçam pra ela vir lá pras 5h aqui para conversar um pouco.
17h e pouco, batem na porta e anunciam que Dona Malvina chegou.
Vou até a recepção e chamo.
Dona Malvina entra no consultório ressabiada e meio cabisbaixa.
– Dona Malvina, como vai?! Como foi a viagem?
Ainda um pouco receosa, responde:
– Foi ótima, doutor! Fui ver minha neta na Bahia! Nóis daqui não é todo dia que viajamo não! Foi bom demais ver a menina já grandona; tem 5 anos!
“Quebrado o gelo”, deixei aberto para que me contasse de alguma queixa ou algo que lembrasse ou julgasse ser importante. Nada.
Entrei no assunto do exame: “Porque a sra. me trouxe esse exame, dona Malvina?”, perguntei.
– Ah dr., toda vez que volto de viagem gosto de fazer por causa dos verme que nóis pode pegá. Daí passei com a enfermeira e ela me passou esse monte de exame –  responde.
– Uhn… mas não está sentindo nada? Não aconteceu nada? – reforço
– Nada não, doutor. Mas me conta o que tá acontecendo doutor… tô percebendo um zumzumzum no meu bar que não tô gostando!
Acalmo dona Malvina e peço pra examiná-la. Exame físico normal, exceto por uma lesão na pele já calejada da mão direita, em palma.
Conduzo dona Malvina até a cadeira e começo a explicar sobre o caso e as hipóteses de alteração das enzimas do pâncreas. Falo de tudo e pergunto da bebida.
Dona Malvina responde meio alterada:
“Olha Doutor, deve ser isso que essa gente faladeira fica de zumzumzum por aí! Eu não bebo nada não. Aliás esse povo acha que só porque sou dona de bar tenho que beber o que eu vendo?! Já perdi um filho pra bebida…” e começa a chorar.
Acalmo novamente dona Malvina.
– Dona Malvina, não estou aqui pra julgar a sra. não, queria só entender o que está acontecendo.
– Ai, desculpa doutor, eu preciso me acalmar mesmo. Essa gente é assim: vai comprar pinga fiado pro marido e eu deixo, não falo nada, mas quando é da minha vida, vem um monte de gente falar sem saber… parece um bando de bicho traiçoeiro que nem o “escurpião” que me mordeu a mão quando tava vestindo minha neta!
Tive aquele momento “flashback” de retorno às aulas de parasitologia e medicina tropical.
Escorpião rimou com a alteração (das enzimas pancreáticas) e com a lesão (na mão).
Coloco um sorriso nos lábios sem perceber.
– Doutor o sr. está me ouvindo? Desculpa chorar aqui, viu?!
– Que nada dona Malvina, às vezes é bom falar desses bichos traiçoeiros que a gente encontra na vida… alivia o corpo e a alma!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s