Através do espelho

por Verônica Cisneiros

Era uma dessas manhãs em que a gente se veste de coragem, calça os sapatos capazes de enfrentar os esgotos a céu aberto das ruas molhadas, e o chapéu para tentar diminuir os efeitos do sol nordestino. Durante o caminho as reflexões são muitas, pois era uma região entregue à população por permuta de uma área ocupada, e na “pressa” as casas não obedeciam quaisquer normas sanitárias para habitações minimamente saudáveis.

Caminhávamos pensando até que ponto aquele desalinho, odores e tantas faltas, até mesmo de cores se refletiam no ânimo e na autoimagem das pessoas que ali viviam. Pensávamos em como seríamos nós, se o acaso fizesse dali nossa morada. A cada passo vinha uma reflexão, e a cada outro um respeito nascido da superação de cada um daqueles moradores.

Assim chegamos a residência da Sra. Marinete, parte do muro fora derrubado e não havia portão. A família, como costumam dizer, trabalhava com reciclagem, eram catadores. Ao adentrar o caminho estreito que chegava à porta da casa dificilmente conseguíamos delimitar onde terminava o material amontoado a ser reciclado e onde começava a casa, afinal casa e terreno exibiam uma só paisagem, de garrafas, papéis, latas, restos alimentares e ratos que transitavam por toda parte.

Entramos. E a um sonoro “boa tarde D. Marinete! Somos da sua equipe de saúde, e sou sua médica, recém chegada no Posto”! Escutamos “que bom doutora, há tempos venho esperando um médico por aqui. Desculpa a casa, é que vivo de reciclagem. Como tive esse derrame, e as crianças fazem pouco, a situação tem estado muito ruim. ” Assim seguiu a conversa, sobre um passado de dor, traição, limitações e a pouca ajuda de alguns poucos vizinhos.

Era uma mulher de 43 anos, sem companheiro, hipertensa desde sua última gestação, e que havia sofrido um AVC há 3 anos. Lamentava-se da dificuldade com seu corpo, com sua fala e havia perdido a esperança de receber qualquer auxílio que lhe mitigasse o sofrimento. Durante nossa conversa, naquele calor insuportável, vez em quando um rato passava como se fosse um animal de estimação.

Pouco a pouco as crianças, filhos e filhas de D. Marinete se aproximavam na tentativa de compreender o que se passava. A aparência das crianças se confundia com tudo que ali havia. A mãe se desculpava pelo descuido com as crianças, e naquela desculpa residia uma esperança. Ser médico de família e comunidade nos coloca em situações, que mesmo imaginadas, nos parecem inusitadas.

Olhávamos à volta, e não havia sequer uma parte da casa ou das pessoas que pudessem ser utilizadas como referência para despertar o desejo de mudar. Foi então que vimos um espelho, tinha cerca de um metro de altura, e estava quebrado de cima abaixo. Certamente descartado por alguma família abastada. Pedimos, que cada criança fosse a frente do espelho e descrevesse o que via. Elas diziam seu nome, sua idade, e induzíamos a que falassem alguns traços característicos, como cor do cabelo, dos olhos… Vez em quando elogiávamos a beleza que se escondia através do espelho…

As crianças passaram a ir uma e outra repetindo a “brincadeira”. Ao final da consulta de D. Marinete, sugerimos as crianças que na próxima consulta usaríamos o espelho para brincarmos sobre o que havia mudado em cada uma a partir de hoje.

Qual não foi a nossa surpresa, quando na próxima consulta não havia mais o espelho. Esta visão foi um choque e um grande aprendizado para nós. Lições sobre a dor de enxergar além do espelho. Lições de como sugerir mudanças, de como ensinar sobre os meios de consegui-la, de como compreender o que existe em torno do espelho, e de como quebrar uma determinação social imposta.

A equipe se empenhou em coordenar instituições e rede social que as envolvia. O benefício social foi conseguido e algumas mudanças aconteceram sob orientação da equipe. Aos poucos era possível delimitar casa, terreno e material de reciclagem. Haviam pentes, escovas de dente e crianças que tomavam banho para ir escola. Foram cerca de 4 anos de trabalho com esta família, com esta comunidade, com estas pessoas.

E o que aos poucos o velho espelho quebrado responde, ao ser silenciosamente indagado, é que não “existe no mundo ninguém mais belo” que alguém que descobre a força de mudança que há em si mesmo.

A medicina de família e comunidade é um caminho! Um caminho que nos ajuda a enxergar através dos espelhos!

Anúncios

3 comentários sobre “Através do espelho

  1. A forma poética como foi descrito tamanha mistura de sentimentos, nos leva a refletir sobre nossa superficialidade.
    Parabéns a vc que viveu e soube transmitir tanta emoção no seu trabalho tão duro!

    Curtir

Deixe uma resposta para Andréa Tabosa Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s